Teatro, comunidade e um espetáculo

31 05 2010

Companhia CENABERTA de Teatro apresenta espetáculo e promove bate-papo com o público

O teatro, mais que entretenimento, também é uma arte que possibilita um debate na comunidade sobre questões sociais e culturais. Esse é o principal objetivo da companhia CENABERTA de Teatro, que trás para o Teatro Universitário Cláudio Barradas o espetáculo TORRENEGRA, nos dias 1 e 2 de junho.

Patrocinada pelo Banco da Amazônia, através do projeto ”Teatro Vivo, uma cultura social”, a companhia de Palmas, Tocantins, promove um bate-papo após cada apresentação, incentivando a formação intelectual, crítica e cultural nas comunidades carentes.

Ainda faz parte do projeto o recolhimento de alimentos não perecíveis para distribuição em entidades de apoio a crianças e jovens carentes e a oferta de parte dos ingressos de graça para moradores destas áreas carentes, oportunizando, assim, o acesso ao teatro a estas comunidades.

Além de Belém, a companhia apresenta-se em três outras capitais da região norte nesta turnê: Palmas, Boa Vista e Macapá.

Oficina

O grupo oferecerá uma oficina teatral para jovens e professores da Rede Pública de Ensino no dia 02 de junho, no próprio Teatro, no horário de 8h às 12h e das 14h às 17h, com inscrições gratuitas e livre acesso ao espetáculo. As inscrições poderão ser realizadas nos próprio local e dia.

O espetáculo

Três assaltantes acreditam que cometeram o crime perfeito e refugiam-se no subsolo de uma casa. Acidentalmente, fazem do seu esconderijo uma prisão sufocante. É a partir desse ponto que começa Torrenegra, peça dirigida por Ana Isabel Friedlander.

O drama narra as últimas conversas dos três homens, que observam a própria vida que se esvai com o passar do tempo. Na eminência da morte, eles tentam agarrar a todo custo a liberdade e a vida, relembrando fatos do passado e se questionando sobre o que fez eles ficarem naquela situação.

O enredo, dramático e reflexivo, envolve aspectos filosóficos e um crime perfeito.A peça ainda conta com um certo humor, um tempero a mais para o espetáculo. Esses elementos poderiam muito bem estar presentes em alguma obra  de Dostoievsky.  O russo, inclusive, é autor do texto “Notas do subsolo”, em que subsolo nada mais é do que uma grande metáfora para a decadência e a prisão que os próprios homens criam para si. Seria esse um possível sentido para Torrenegra?

Venha conferir!

  • Serviço:

Dias 01 e 02/06 , às 20h .

Teatro Universitário Cláudio Barradas

Rua Jerônimo Pimentel, 546 (Esquina com a Dom Romualdo de Seixas)

Ingresso : R$ 20,00 (inteira) e R$10,00(meia).

Classificação etária : 12 anos

Para mais informações : (91) 3249-0373 (horário: 14h as 21h)

Texto: Caroline Soares – Assessoria TUCB

Anúncios




Novas formas de interação no blog do teatro

26 05 2010

O blog do Teatro Cláudio Barradas trás grandes novidades para o público este mês. Além do layout da página ganhar um novo estilo, o site agora utiliza novos serviços para melhorar a interação com o público e facilitar o acesso do leitor. Confira as novidades e projetos:

Flickr

A galeria de fotos agora está organizada na nossa página no FLICKR. O leitor pode enviar suas fotos também. Basta preencher este formulário.

Twitter

Informações atualizadas constantemente, com notícias, fotos e links. Acompanhe nossa programação, eventos e espetáculos em 140 caracteres. Siga-nos: http://www.twitter.com/teatroufpa

Divulgação do Twiter do TUCB: “As notícias voam” – Dança


Divulgação do Twitter do TUCB: “Seguir ou não?” – Teatro





Já Pensou? trás um novo olhar para os relacionamentos

19 05 2010

A Cia de Teatro Amador A patuscada trás a comédia dramática “Já Pensou?” para o palco do Teatro Universitário Cláudio Barradas, dos dias 20 a 23 e de 27 a 30 de maio, às 20h.

O espetáculo teatral aborda, com leveza e intimismo, as divagações, impressões e devaneios de três jovens adultas a respeito do relacionamento afetivo entre homens e mulheres.

A peça é fruto de observações e reflexões da autora, Ana Luísa Oliveira, conhecida como Patusca. Ana Luísa atentou às inúmeras discussões levantadas em torno desta temática atemporal, presente nos diversos ambientes onde se reúnem casais com o intuito de divertimentos e lazer, como cafés, bares, clubes e boates. O resultado foi um trabalho leve, mas com um caráter reflexivo.

“Já Pensou?” exibe a conversação íntima de três amigas, em um momento de descontração, ilustrada pela concretização de cinco situações que configuram suas imaginações mais absurdas e pessoais, explicitando seus devaneios mais íntimos, apoiadas na cumplicidade existente de sua amizade. Segundo a produtora Ana Júlia, o espetáculo foge do lugar-comum das comédias românticas. “[O espetáculo] procura tratar isso com leveza, não aprofundar no drama, no sofrimento.”, afirma ela.

Quando perguntada sobre a expectativa para a recepção do público, a produtora explica : ” Na verdade, nossa expectativa é podermos angariar mais pessoas, que conheçam o trabalho da Patuscada, que venham junto com a gente fazer esse ajuntamento festivo, que é justamente o significado de patuscada “. Ela ainda afirma que espera que as pessoas saiam do teatro mais reflexivos, leves e alegres

Patuscada: Família e espetáculo

A companhia subiu ao palco pela primeira vez, no ano de 2000, com o espetáculo Estórias de Contar, com direção e autoria de Dona Julinha e Patusca. Seus integrantes, naturais da cidade de Belém, desenvolveram-se na Arte Cênica com maior expressão na cidade do Recife (PE), onde seus atores tiveram maior oportunidade de aprendizado através de cursos especializados nesta área e de participação na montagem de diversos espetáculos. A Cia de Teatro Amador A Patuscada é familiar, composta por pai, mãe filhos e sobrinhos.

Segundo diversos dicionários pesquisados, “patuscada” significa ajuntamento festivo de pessoas para beber e comer; festa; pândega. Palavra em desuso, de origem Grega, muito antiga e atualmente sem aplicação, mas que se imortalizou para esta família de artistas, através da fala precisa de Dona Nair, mãe, sogra e avó para o grupo.

Ana Júlia conta que a companhia já possui um público cativo: ” A Patuscada já faz um trabalho há mais de 10 anos, a gente tem aquele público que vem esperando os espetáculos. Já Pensou? entra na sua segunda temporada, teve uma temporada no final do ano passado, no Waldermar Henrique. Agora estamos no Teatro Cláudio Barradas, que tem  nos acolhido  muito bem e também nos propicia,por ser um espaço experimental, esse tipo de palco (italiano)”.

Documentário

O trabalho desenvolvido pela companhia proporcionou a produção de um documentário pela estudante de Teatro Ana Carolina Nunes. O vídeo foi produzido em outubro de 2009 para a disciplina Antropologia do Teatro, sob a orientação da professora Karine Jansen.

Segundo Ana, o objetivo era fazer uma pesquisa e resgate da história da companhia. Já que A Patuscada é um grupo familiar, foi possível relacionar as ações do grupo com a disciplina.

Serviço:

20/05 a 23/05 e de 27/04 a 30/05, às 20h

Teatro Universitário Cláudio Barradas

Rua Jerônimo Pimentel, 546 (Esquina com a Dom Romualdo de Seixas)

Ingresso: R$ 10,00 (inteira) e R$5,00(meia).

Para mais informações: (91) 3249-0373 (horário: 14h as 21h)

Texto: Caroline Soares





Atenção: Últimos dias para solicitação de pauta no TUCB

18 05 2010

O Teatro Universitário Cláudio Barradas informa que as solicitações de pauta para os meses de Agosto, Setembro e Outubro serão recebidas até o dia 30 de Maio.

A pauta para o primeiro semestre já está fechada e completa. O valor da diária, a título experimental, foi de R$200,00. Quanto ao segundo semestre, a orientação é a seguinte: solicite* agora o período que você vai precisar e envie o release com as informações do espetáculo. No início do mês de Junho estaremos analisando as propostas e encaminhando o resultado. Os meses de Novembro e Dezembro são destinados às práticas de montagem da Escola de Teatro e Dança da UFPA.

*Observação: O recebimento das pautas não significa que elas estão aprovadas. As propostas serão analisadas pela administração. Caso ocorra algum impasse, o responsável será chamado à coordenação do teatro para negociar a questão.