Teatro, comunidade e um espetáculo

31 05 2010

Companhia CENABERTA de Teatro apresenta espetáculo e promove bate-papo com o público

O teatro, mais que entretenimento, também é uma arte que possibilita um debate na comunidade sobre questões sociais e culturais. Esse é o principal objetivo da companhia CENABERTA de Teatro, que trás para o Teatro Universitário Cláudio Barradas o espetáculo TORRENEGRA, nos dias 1 e 2 de junho.

Patrocinada pelo Banco da Amazônia, através do projeto ”Teatro Vivo, uma cultura social”, a companhia de Palmas, Tocantins, promove um bate-papo após cada apresentação, incentivando a formação intelectual, crítica e cultural nas comunidades carentes.

Ainda faz parte do projeto o recolhimento de alimentos não perecíveis para distribuição em entidades de apoio a crianças e jovens carentes e a oferta de parte dos ingressos de graça para moradores destas áreas carentes, oportunizando, assim, o acesso ao teatro a estas comunidades.

Além de Belém, a companhia apresenta-se em três outras capitais da região norte nesta turnê: Palmas, Boa Vista e Macapá.

Oficina

O grupo oferecerá uma oficina teatral para jovens e professores da Rede Pública de Ensino no dia 02 de junho, no próprio Teatro, no horário de 8h às 12h e das 14h às 17h, com inscrições gratuitas e livre acesso ao espetáculo. As inscrições poderão ser realizadas nos próprio local e dia.

O espetáculo

Três assaltantes acreditam que cometeram o crime perfeito e refugiam-se no subsolo de uma casa. Acidentalmente, fazem do seu esconderijo uma prisão sufocante. É a partir desse ponto que começa Torrenegra, peça dirigida por Ana Isabel Friedlander.

O drama narra as últimas conversas dos três homens, que observam a própria vida que se esvai com o passar do tempo. Na eminência da morte, eles tentam agarrar a todo custo a liberdade e a vida, relembrando fatos do passado e se questionando sobre o que fez eles ficarem naquela situação.

O enredo, dramático e reflexivo, envolve aspectos filosóficos e um crime perfeito.A peça ainda conta com um certo humor, um tempero a mais para o espetáculo. Esses elementos poderiam muito bem estar presentes em alguma obra  de Dostoievsky.  O russo, inclusive, é autor do texto “Notas do subsolo”, em que subsolo nada mais é do que uma grande metáfora para a decadência e a prisão que os próprios homens criam para si. Seria esse um possível sentido para Torrenegra?

Venha conferir!

  • Serviço:

Dias 01 e 02/06 , às 20h .

Teatro Universitário Cláudio Barradas

Rua Jerônimo Pimentel, 546 (Esquina com a Dom Romualdo de Seixas)

Ingresso : R$ 20,00 (inteira) e R$10,00(meia).

Classificação etária : 12 anos

Para mais informações : (91) 3249-0373 (horário: 14h as 21h)

Texto: Caroline Soares – Assessoria TUCB